Homenagem ao 15 de Março de 2015

Tu és pátria amada, tu és mãe gentil,
E clamaste ao povo, à voz do Brasil,
E o povo acode ao chamado sutil,
Com vigor, lealdade e ardor juvenil

A pátria levanta em grito bravio
Porque és pátria amada, Brasil, meu Brasil
Pendão da esperança, de luta e de paz,
De quem se doou aos teus ideais

Se hoje conclamas à luta febril
Haverás de ouvir o murmúrio do rio
Que aquele que a todos com honra serviu
Haverá também hoje de amar o Brasil

O Brasil se liberta da praga vermelha
E ergue, orgulhoso, a sua bandeira
O barulho, o tambor, o rufar, os leões,
O ódio, o teor de mil batalhões,

Não impedem a seara de nossas conquistas
Pois firmamos convictos nossa postura
Somos filhos honrados do solo gentil
E aqui só se clama por união civil

Aquele em que o ódio sobrepuja o ardor
Deverá ser tomado por um desertor
Pois que hoje no dia da luta guerreira
É verde e amarela a nossa bandeira

O horizonte transpassa, o Cruzeiro conduz
A justiça calcada em paz e em luz,
Somos filhos da terra gentil do Brasil
E unidos ficamos nesse nosso rincão,
Pela pátria lutamos, mas em união

E assim caminhamos, de cabeça erguida
E assim avançamos, em paz como irmãos
Somos todos filhos de um solo gentil
E assim lutaremos, em união civil

Catarina Rochamonte on Facebook
Catarina Rochamonte
Catarina Rochamonte é graduada em filosofia pela UECE (Universidade Estadual do Ceará), mestre em filosofia pela UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte) e doutora em Filosofia pela UFSCar (Universidade Federal de São Carlos). Realizou na graduação e no mestrado pesquisa sobre a metafísica de Schopenhauer e no doutorado sobre a filosofia de Henri Bergson. Leciona e pesquisa principalmente nas subáreas de Teoria do conhecimento e Metafísica. Professora de Filosofia da Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *