DEGRADANTE E ENTORPECENTE

A cuca é de cada um, o excremento ideológico também, mas não queira empurrar esse tipo de tranqueira goela abaixo de todos e acreditar que, fazendo isso, deveria viver razoavelmente bem pela realização dessa inutilidade pública, propagandeando que isso seria para o bem da sociedade, da diversidade e das futuras gerações.

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

(i)

POR MAIOR QUE SEJA A POMPA e o simulacro de superioridade que um caipora, doutamente empavonado, queira exibir com sua artificiosa elegância verbal, o tesouro carcomido que jaz em seu coração fica, dum jeito ou de outro, mais que visível ao luzeiro de todos, menos para as meninas de seus olhos, tendo em vista que esse tipo de gente não se enxerga de jeito maneira, devido a sua intratável afetação diplomada que apenas atesta a fatuidade que infecta sua alma.

(ii)

O POLITICAMENTE CORRETO ENTORPECE a alma de tal forma que, quando um indivíduo é tomado por essa praga, acaba tornando-se incapaz de distinguir um simples gracejo cáustico de um, como dizem, discurso de ódio; o sujeito fica impossibilitado de diferenciar uma simples ironia de um ato de violência. Isso é triste, sim senhor, mas é assim mesmo. E, assim o é, porque a única coisa que essa tranqueira, o politicamente correto, faz é cevar o ódio nos corações dos indivíduos ao mesmo tempo em que insufla os infelizes a dissimular, da melhor forma possível, aquela carinha afetada de bom-moço, cheinho de boas intenções, e, desse modo, condenando-o a viver uma vida artificiosa, levando-o a crer que, tal fingimento, seria o suprassumo da dita cuja da cidadania e daquele simulacro idolatrado chamado criticidade.

(iii)

É TRISTE, MUITO TRISTE, quando o caipora não sabe a diferença entre o que seja uma ideologia e um conjunto de princípios. Aliás, verdade seja dita: não há nada de errado em defender uma ideologia. Que cada um faça o que bem entender de sua vida. Mas, como bom caipira que sou, continuarei achando isso um trem muito do esquisito. Agora, a porca torce o rabo, e torce feio, quando o tranqueira coloca uma ideologia, não interessa qual seja, acima da soberania da realidade e no lugar da majestade da verdade. Aí, meu velho, a doideira não é pouca não. Quando isso ocorre, o indivíduo não procura mais esforçar-se para dilatar o seu horizonte de compreensão para poder, na medida de suas limitações, compreender o real de modo mais amplo e profundo. Não. O que ele anseia, com todas as forças de seu ser, em misto com a sua insânia ideologizada, é reduzir a realidade à pequenez de sua ideologia e banir a verdade com a sua mesquinhez fantasiada de cidadania que o impossibilita de ver, mesmo que minimamente, qualquer obviedade ululante que contradiga, mesmo que minimamente, a sua utopia delirante. E, como havia dito antes, que cada um faça o que bem entender de sua vida. Mas, como bom caipira que sou, continuarei achando isso um trem muito, muito do esquisito.

(iv)

HÁ MUITOS ANOS ATRÁS, ainda no século passado, li o que Jorge Amado entendia por ideologia. Em suas lacônicas e imorredouras palavras, dizia que “toda ideologia é uma merda”. Ele sabia muito bem do que estava falando. E como eu já bebi e me embriaguei desse cálice em minha porca juventude, também acabei chegando à mesma conclusão. Na mesmíssima obviedade.

Noutra ocasião, numa entrevista que assisti, Millôr Fernandes sentenciou algo que, confesso, também guardei para todo o sempre em meu mesquinho e caipiresco coração. Dizia ele: “desconfio, sempre, de quem ganha à vida com a sua ideologia”. E, a partir de então, também passei a desconfiar desse tipo de gente tão bem intencionada.

Bem, como já havia dito, noutras linhas, nada tenho que ver com o que cada um faz com os seus miolos. Se o caipora quer colocar a simploriedade duma ideologia no lugar da complexidade da realidade, que fique a vontade.

Só peço, por caridade, para que não insista que tongos, como eu, sejam obrigados a achar essa feiura toda algo bonito e digno de aplausos e, se possível for, que também não batam o pesinho de maneira ideologicamente sincrônica, para exigir que suas contas sejam pagas pelo erário.

Isso mesmo. A cuca é de cada um, o excremento ideológico também, mas não queira empurrar esse tipo de tranqueira goela abaixo de todos e acreditar que, fazendo isso, deveria viver razoavelmente bem pela realização dessa inutilidade pública, propagandeando que isso seria para o bem da sociedade, da diversidade e das futuras gerações.

Dartagnan da Silva Zanela
Cristão Católico por confissão, caipira por convicção, professor por ofício, poeta por teimosia, radialista por insistência, bebedor inveterado de café e escrevinhador por não ter mais o que fazer.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *